quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Para adquirir o ÓLEO DE COPAÍBA acesse a nossa loja virtual: http://www.damazonianaturaisecia.com.br/

Estudo associa ultrassom e óleo de copaíba no tratamento da tendinite

Professora Evaleide, do Departamento de Fisioterapia da UFS
Professora Evaleide, do Departamento de Fisioterapia da UFS

Esforços prolongados e repetitivossobrecarga,desidrataçãoalimentação incorreta e a presença detoxinas no organismo podem desencadear uma inflamaçãonos tendõesTambém chamada de tendinite, a inflamaçãotem sido alvo de estudos tanto no campo da medicinaesportiva quanto na medicina do trabalhoprincipalmenteapós a difusão da informática. A depender da natureza e daseveridade da lesão o tratamento pode incluir a indicaçãode antiinflamatóriosrepouso e sessões de fisioterapia.
Pesquisa desenvolvida pela professora do Departamento deFisioterapia da UFS Evaleide Diniz tem como objetivoinvestigar a eficácia do ultrassom em associação ao óleo decopaíbasubstância resinosa extraída do tronco da copaíba,árvore de grande porte típica da floresta amazônica.Bastante difundido e utilizado para os mais variados fins naregião Norte do Brasil, o produto contém propriedadesantiinflamatóriasanalgésicas e de alto poder cicatrizante.
técnica que une o ultrassom e as drogasdefinida como fonoforese ou sonoforeseteve início no Brasil em 1950.Entretantopossui pouca comprovação e número escasso de pesquisas no paísapesar de o uso do ultrassom tratar-sede um recurso  consagrado na fisioterapia para tratar processos inflamatórios. Segundo a professora Evaleideumadas razões para esse comportamento é a precaução que os fisioterapeutas de modo geral possuem queprecisariam ter um conhecimento mais aprofundado em farmacologia para fazer uso do procedimentoAlém disso,conta a docentena fisioterapia os estudos são mais subjetivos, o que acaba gerando dúvidas quanto à eficácia.
“Nós procuramos estudar os princípios ativoscomo em todo laboratório de farmacologia se estuda a base experimental, para futuramente poder transformar a pesquisa em um fármaco ou em alguma droga que possa serutilizada com segurança na clínica”afirma a responsável pelo estudo.
pesquisa
Em 2008, a professora Evaleide começou a desenvolver a pesquisa com o óleo de copaíba no tratamento da gonoartrose (artrose no joelho). Posteriormente decidiu acrescentar ao estudo outra linha de pesquisa ainda com o óleo de copaíba, mas tratando o quadro clínico de tendinite. A tendinite apresenta sintomas bastante variados, como: dor e inchaço (edema) de diferentes intensidades, diminuição da força muscular e dificuldade de movimento.
“Algumas pesquisas já comprovavam o efeito do óleo de copaíba diante de processos inflamatórios, a partir disso surgiu a curiosidade de desenvolver estudos com esse produto”, afirma Evaleide. “A artrose no joelho não é um processo inflamatório muscular, mas tem em si um processo inflamatório intrínseco articular”, diz.
A pesquisa intitulada “Estudo da eficácia terapêutica do óleo de copaíba (Copaífera sp) em processos inflamatórios de tendinite” tratou cerca de 80 pacientes, dos 20 aos 40 anos, que foram divididos em três grupos de análise: o grupo controle (tratado com aplicação de ultrassom e exercícios, tratamento fisioterápico convencional); o grupo teste 1 (tratado com aplicação de ultrassom com o óleo de copaíba e exercícios); e o grupo teste 2 (tratado com massagem com óleo de copaíba e exercícios).
Constatou-se que o grupo tratado com ultrassomsomado ao óleo de copaíba e exercícios apresentou o melhor resultado (grupo teste 1), sugerindo que o óleo de copaíba aperfeiçoava os efeitos do tratamento. Os pacientes submeteram-se a duas sessões semanais de aproximadamente 30 minutos cada uma. O tratamento completo contou com dez sessões. O atendimento realizou-se no Hospital Universitário da UFS.
O estudo analisou os seguintes pontos: redução da dor, maior força no desempenho do movimento e maior amplitude de movimento (execução do movimento completo). Segundo a pesquisadora, quando se reduz a dor em processos inflamatórios o paciente começar a movimentar melhor a articulação. “A diminuição da dor é o principal fator indicativo da redução da lesão”, afirma Evaleide.
A pesquisa já foi divulgada em vários congressos regionais, nacionais e internacionais e no geral a repercussão foi bastante positiva. Há aproximadamente um ano foi apresentada em Manchester (Inglaterra) no “Physiology 2010”, onde recebeu diversos elogios tanto pelo cuidado metodológico como pelo caráter de inovação do trabalho.
“Eu acredito que em um futuro bem breve, pelo menos aqui em Sergipe, possamos utilizar essa associação nas clínicas com bastante segurança. Com o avanço da evidência científica pretendemos incluir essa técnica no cotidiano de uma clínica de fisioterapia. A associação dessas duas ferramentas, mesmo que o medicamento precise ter prescrição de um médico, pode melhorar o paciente”, conclui a pesquisadora.

Érika Rodrigues (estagiária)
Luiz Amaro
comunica@ufs.br
[Foto-legenda: Diego Gurgel]
qui, 24/11/2011 - 20:13



FONTE: http://www.ufs.br/conteudo/estudo-associa-ultrassom-leo-copa-ba-tratamento-tendinite-3831.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário